Publicidade

  • Impasse entre Prefeitura e Empreiteira. Moradores revoltados com problemas na pavimentação da Rua Padre Gabriel Lux
  • Impasse entre Prefeitura e Empreiteira. Moradores revoltados com problemas na pavimentação da Rua Padre Gabriel Lux

Impasse entre Prefeitura e Empreiteira. Moradores revoltados com problemas na pavimentação da Rua Padre Gabriel Lux

A Associação de Moradores da Rua Padre Gabriel Lux, no bairro Seminário, já não sabem mais a quem recorrer para resolver os inúmeros problemas na obra de pavimentação da via. Nesta segunda-feira, (05), o senhor Wilson Gessner, representante da Associação ocupou a tribuna na sessão da Câmara de Vereadores e explanou sobre os diversos problemas que a obra recém realizada vem apresentado, evidenciado com fotos dos locais.

Gessner, ainda apresentou um parecer do Ministério Público sobre as irregularidades urbanísticas da obra a qual o órgão foi informado pela Prefeitura Municipal e pela empresa executora da obra Paviplan, que a mesma ainda não está finalizada e nem foi fiscalizada. E ainda a obra tem 5 anos de garantia. Sendo que a obra será recebida somente feita os reparos das irregularidades apontadas. Sendo assim não havendo necessidade de intervenção do MP.

“Já não sabemos mais para quem recorrer. Fomos várias vezes na prefeitura, falamos com a empresa que fez a obra e nada. Temos bueiros entupidos, as grelhas dos bueiros estão quase todas cedendo com a passagem de veículos, rachaduras e buracos no asfalto, as faixas de pedestres e ciclovia com descontinuidade, muito entulhos deixados pela empresa. E até agora nenhuma providência. Ninguém nos ouve e ainda dizem que a obra não está pronta, então por que pintaram as faixas de sinalização se precisa ser feito os reparos?”, questiona Gessner.

Em seu pedido aos vereadores Gessner, solicitou que fizessem um ofício ao executivo para que tome providencias quanto o caso, para que o mesmo não passe despercebido e depois gere mais despesas para o poder público. “O dinheiro investido lá é de todos, nós moradores pagamos uma parte, mas tem uma boa quantia de recursos vindos do Ministério do Turismo que é público, é de todos. Tempos que cuidar com isso, não podemos deixar passar”, comenta.

Segundo Fábio Bertoldi, do setor de planejamento da Prefeitura de Corupá, a obra ainda não está finalizada e uma fiscalização será realizada para daí então ser entregue o parecer. E também faltaria ser pago a terceira e última parcela do valor da obra de aproximadamente 117 mil reais. “O valor já está disponível na conta na Caixa, mas precisamos resolver primeiro esses problemas para depois o fiscal do Banco dar a liberação do recurso para a empresa receber. Caso isso não aconteça, mais tempo vai levar para ser liberada a obra”, explica.

O secretário de infraestrutura do município Hediberto Berthensen, informou que será feito um levantamento das irregularidades de toda a obra e ainda esta semana a empresa Paviplan será notificada para que seja refeito os reparos. “Temos que dar andamentos nisso, já se prolongou muito, a empresa precisa tomar providência e resolver isso”, comentou.

Em nota a empresa Paviplan, esclareceu que até antão não tinha recebido nenhuma notificação por parte da Prefeitura a respeito da obra, mas que está a disposição e que será analisado todos os pareceres e todos os reparos na obras serão realizados de acordo com o contrato assim estabelecido.

A obra

A rua Padre Gabriel Lux, via que dá acesso ao Seminário Sagrado Coração de Jesus, foi iniciada a obra em março de 2017, com recursos no valor de 500 mil reais através do Deputado Federal Mauro Mariani e participação dos moradores, para pavimentar aproximadamente 600 metros e não finalizando toda a via. A empresa que executou a obra foi a Paviplan, de Guaramirim.