Publicidade

Publicidade

  • VEREADOR LAIRTON USA A TRIBUNA PARA COBRAR EXECUTIVO SOBRE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO
  • VEREADOR LAIRTON USA A TRIBUNA PARA COBRAR EXECUTIVO SOBRE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO
  • VEREADOR LAIRTON USA A TRIBUNA PARA COBRAR EXECUTIVO SOBRE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

VEREADOR LAIRTON USA A TRIBUNA PARA COBRAR EXECUTIVO SOBRE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

Cada vez mais a Câmara de Vereadores de Corupá tem desempenhado o seu papel constitucional de ser o porta voz dos munícipes e fiscalizar o Executivo.

Na última sessão da Câmara a tribuna foi usada para, além de informar a população, cobrar explicações do prefeito sobre algumas aparentes irregularidades na secretaria municipal de educação.

Desta vez foi o vereador Lairton Müller que, apresentando números oficiais, discorreu sobre diversos problemas e desmandos verificados na educação corupaense. Lembrando que o vereador é professor da rede pública e ex-diretor de unidade de ensino de Corupá, conhecendo com profundidade o assunto.

Vagas nas creches

Ele abriu seu pronunciamento questionando a divulgação midiática ocorrida no início de 2017 de que estavam sendo criadas 80 novas vagas nas creches. Segundo Lairton, esta informação divulgada aos 100 dias da atual gestão, não é verdadeira pois, além de não terem sido construídas ou ampliadas novas unidades de ensino, os números divulgados refletem apenas a reposição de vagas permitida pelos alunos que foram para as séries seguintes, dados que podem ser verificados pelos números oficiais divulgados pela prefeitura e pelo estado.

Ainda sobre as creches o vereador mostrou que com a municipalização do São José e o oferecimento de vagas nesta instituição, o Anita Garibaldi passou a ter problemas com a falta de alunos e redução de carga horária dos professores. Sobre este tópico o vereador foi mais além e acusou a falta de interesse político em resolver o problema que, segundo ele, poderia ter ocorrido com a compra de vagas, como acontecia em gestão anterior. Hoje o Anita Garibaldi oferece atividades em contraturno para não fechar as suas portas.

O vereador encerrou sua abordagem a este assunto apontando os números oficiais que indicam uma redução de 11 vagas em relação à gestão anterior, apesar de 63 famílias estarem na fila aguardando abertura de vagas, e cobrando uma das promessas de campanha que até momento não foi cumprida: a criação de creche com atendimento no primeiro turno, atendendo as famílias que trabalham neste horário.

Contratação da Positivo

Mostrando os números do IDEB de 2015 que apontavam Corupá com índice superior à projeção do MEC, o vereador Lairton questionou o objetivo da contratação do Sistema Positivo de Ensino para fornecer material para alunos do pré-escolar até a 3ª série alertando ser uma despesa tola caso não melhore os índices apontados. O problema é que a próxima avaliação do IDEB acontecerá em 2019 e seus dados divulgados em 2020.

“Dos municípios de nossa região apenas Corupá adotou este sistema, e Guaramirim deixou de adotá-lo.” Alertou o vereador que completou “Campo Alegre contratou o sistema, mas não tem avaliação do IDEB, e a única escola particular a usá-lo é a Jangada, de Jaraguá do Sul”.

Sem entrar no mérito do valor investido, que ele prometeu abordar em outra ocasião, Lairton questionou a não participação do Conselho Municipal de Educação, que sequer foi consultado, e cobrou outra promessa de campanha não cumprida “nós vamos ouvir a comunidade, nós vamos ouvir os conselhos, o povo vai participar de nossa administração, MENTIRA”  completou o vereador alegando que a compra foi arbitrária ao não ouvir os profissionais da educação, e pior, não foi ouvido o conselho que terá que assinar a prestação de contas junto ao FNDE.

Desperdício de dinheiro, quem paga esta conta ?

Livros didáticos encaminhados pelo MEC, empilhados nos corredores das escolas municipais, uma vez que foram substituídos pelo Sistema Positivo.

Visivelmente revoltado, o vereador mostrou uma sequência de imagens que segundo ele são de livros didáticos encaminhados pelo MEC, empilhados nos corredores das escolas municipais, uma vez que foram substituídos pelo Sistema Positivo.

Os livros, que são encaminhados para todos os alunos da rede pública, são custeados pelo FNDE e escolhidos pelos professores. Agravando a situação, eles são endereçados nominalmente aos diretores das unidades educacionais que são responsáveis pela sua guarda e seu uso.

Com esta compra do material do MEC que, caso houvesse planejamento e seriedade da administração municipal, teria sido cancelada, o gasto efetuado teria sido suficiente para, com sobras, permitir a aquisição das lousas digitais constantes de uma indicação constante da ordem do dia.

“Vou triste para minha casa, mas convicto de que tudo que apresentei pode ser verificado e comprovado. Reafirmo que jamais usarei esta tribuna para injuriar alguém”, encerrou sua fala o vereador Lairton Müller.