Publicidade

Publicidade

Levantamento preliminar aponta prejuízo superior a R$ 66 milhões na Agricultura corupaense

Levantamento preliminar aponta prejuízo superior a R$ 66 milhões na Agricultura corupaense

Setor se mobiliza para conseguir auxílio governamental

Desde a terça-feira(30), diversas frentes incansáveis de trabalho estão percorrendo o município  para levantar os prejuízos causados pelo ciclone que atingiu a nossa cidade, nossa região, nosso estado e o sul do Brasil.

Simultaneamente, diversas reuniões têm acontecido envolvendo técnicos, produtores, associações, representantes dos governos municipais, estadual e federal, além dos deputados de nossa região, integrantes da Frente Parlamentar Catarinense formada pelos 16 deputados e três senadores de nosso estado.

Neste primeiro momento, um o levantamento preliminar dos prejuízos sofridos pelos agricultores através de plantas atingidas, galpões, maquinários, insumos e implementos, já se chegou ao valor próximo de R$ 67 milhões, mas sabe-se que este valor será muito maior quando receber o incremento do valor que precisará ser gasto para voltar a produzir e para suportar o tempo que isto demorará.

A Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, Sra. Tereza Cristina, que é engenheira agrônoma, conhece de perto os problemas do campo e já esteve em nosso estado para ver in loco o nosso problema, tendo designado o Sr. Pedro Loyola, que é o diretor do departamento de risco do MAPA para acompanhar em especial a situação da bananicultura.

A expectativa

O setor tem pedido a prorrogação do Pronaf – Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiare do Pronamp – Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural, tanto de custeio quanto de investimento. Uma das reuniões usadas para apresentar e insistir neste pleito, a nível estadual, foi agendada pelo deputado Dr. Vicente Caropreso e envolveu, além dos representantes dos produtores, o secretário da Casa Civil de SC, o Secretário da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural de SC, Ricardo de Gouvêa e seu adjunto Ricardo Miotto Ternus. Outra reunião com a ministra Tereza Cristina está sendo agendada pela Frente Parlamentar da Agricultura, por intermédio do deputado Darci de Matos.

Falta de muda de banana preocupa

Os bananicultores vão enfrentar um sério problema que é a compra de mudas. Além da peculiaridade da IG exige um outro fator que preocupa que é a garantia de procedência da planta que se não vier esterilizada, pode acabar trazendo para o nosso estado doenças que aqui não existem ou até mesmo a TR-4. Quanto à isso, é fundamental que o nosso produtor não compre mudas sem garantia de procedência. Os laboratórios contatados pediram um prazo entre 14 e 15 meses para conseguir atender a demanda dos produtores catarinenses, um prazo inviável. Nesta caso a solução será que o produtor produza a sua própria muda, com a vantagem de já ser de uma planta climatizada aqui. Para que se tenha uma ideia do problema, temos 29.000 hectares com estimativa de 60% de perda e considerando 1.500 plantas por hectare, nos impõe a necessidade de 26milhões de mudas.

Diante des

Matriz Catarinense

Esta é outra demanda encaminhada ao MAPA, Santa Catarina produz 32 toneladas por hectare e pode chegar a 60 toneladas, mas para isso será necessário investir ou incentivar a produção de clones de nossas plantas. Junto com este pedido, nossa região pediu também o envio de mão de obra técnica para auxiliar na recuperação dos bananais. “Nosso produtor sabe produzir uma fruta com qualidade, mas é preciso que se entenda que uma agricultura forte precisa de técnico agrícola e engenheiro agrônomo ao seu lado.